RESIDÊNCIAS DO FORUM DANÇA

Um dos objectivos do Forum Dança é o apoio a residências de acordo com linhas programáticas enquadradas pela sua direcção artística.
O projecto Núcleo-Curadoria e Performance proporciona, através das suas residências, um período de experimentação e de investigação pela acção, articulando a criação com a transmissão à comunidade artística.

© Joclécio Azevedo

Residência Nova Criação 2018
de JOCLÉCIO AZEVEDO

Portas abertas | 11 de Agosto, 18h00
Forum Dança

Esta é a primeira residência exploratória em torno do projeto "Documentário" a ser estreado em 2018 no Festival DDD com coprodução do Rivoli Teatro Municipal do Porto. "Documentário" irá ser desenvolvido em residências artísticas e workshops a partir de Agosto de 2017, contando com diversos colaboradores e convidados em cada etapa. Antes de reunir toda a equipa esta primeira residência a solo foi pensada como um momento preparatório, como experiência de criação de uma zona de transição entre aquilo que se constitui como pesquisa/documentação de um processo de trabalho e a utilização do performer enquanto matéria coreográfica e suporte expositivo.

 

A propósito de "Documentário":
(...) O mundo que pensamos conhecer desarticula-se em novas configurações do social, em novas estratégias de dominação política e económica. A realidade não é enquadrável, nem transparente, em certos casos nem mesmo distinguível dos regimes de ficção com os quais nos confrontamos diariamente. Não sendo traduzível em absoluto, qualquer tentativa de documentar a realidade torna-se um ato político. Pedaços do mundo manifestam-se no tráfico incontrolável de imagens que nos perseguem até mesmo nos sonhos. A aparente proximidade sugerida pelo acesso a novas tecnologias e formas de interação no mundo digital escondem a nossa incapacidade de lidar com o outro, objecto fetiche de uma fantasia permanente e de um medo difuso. Oscilamos entre a crença infundada e a desconfiança como princípio. O inimigo encontra-se em toda parte e é invisível, como sugere Daniel Innerarity. O sofrimento do outro aparece emoldurado e convoca a empatia discreta
dos que observam à distância. As mesmas imagens repetem-se em diferentes suportes com diferentes protagonistas, num combate permanente pela atenção. A exclusão do outro manifesta-se pela normalização e pela colonização do imaginário colectivo, pela disseminação do equívoco, do engano e do preconceito. (...)
Joclécio Azevedo

Biografia
Brasil, 1969. Vive no Porto desde 1990. Os seus trabalhos atravessam diferentes disciplinas artísticas, tendo-se dedicado mais intensamente à criação coreográfica a partir de 1999. Tem participado regularmente em projectos de criação e investigação, desenvolvendo colaborações e integrando residências artísticas em diversos contextos, dentro e fora do país. Foi director artístico do Núcleo de Experimentação Coreográfica, no Porto, entre 2006 e 2011. Desde 2013 participa como formador no FAICC -Formação avançada em interpretação e criação coreográfica da Companhia Instável. Integra, desde 2012, o projecto "Artista residente" da Circular Associação Cultural em Vila do Conde. A partir de 2016 colabora como assistente convidado no Curso de Especialização em Performance na FBAUP. Actualmente é membro da direcção plenária da GDA e do Conselho de Curadores da Fundação GDA.